Colapso de túnel em base nuclear matou 200 na Coreia do Norte


Colapso de túnel em base nuclear matou 200 na Coreia do Norte

Quase 200 operários podem ter morrido após o desabamento de um túnel em uma base nuclear na Coreia do Norte no mês de setembro, indicaram veículos das imprensas japonesa e sul-coreanas nesta terça-feira. O canal estava sendo construído no complexo de túneis na zona de testes subsolo de Punggye-ri, na província mais ao norte do território norte-coreano, de acordo com um relatório divulgado pela emissora japonesa Asahi. O isolamento político-econômico do país dificulta a disseminação de notícias, por isso, o incidente de 10 de setembro apenas vem à tona agora.


Segundo o canal japonês, cerca de 100 pessoas ficaram presas no túnel e outras 100 morreram em um segundo desabamento, enquanto tentavam resgatar o primeiro grupo, relatou o jornal "The Independent". Monitores sismológicos já registraram tremores de terra que acompanham testes nucleares realizados no local, que é o principal ponto de ensaios nucleares do governo norte-coreano. Segundo o "Independent", especialistas acreditam que uma série de tremores e deslizamentos próximos à base nuclear provavelmente indicam que o sexto e maior teste nuclear já feito pela Coreia do Norte, em 3 de setembro, desestabilizou a região, e, com isso, Punggye-ri pode ser descartada para testar armas nucleares.


AMEAÇA DE GUERRA

Diante da ameaça de guerra nuclear, a mídia sul-coreana relatou que exercícios militares foram conduzidos em "cidades secundárias e terciárias" durante a última semana, sobretudo na costa Leste do país, mais próxima do Mar do Japão. Algumas dessas operações foram realizadas no escuro, com as luzes das cidades suspensas, para evitar iluminar alvos para os inimigos.

No fim de semana, a ameaça da Coreia do Norte executar um ataque com míssil contra os Estados Unidos está aumentando, indicou o Secretário de Defesa dos EUA, James Mattis. Ele acusou o regime de Kim Jong-un de desenvolver programas ilegais e desnecessários de armas e mísseis nucleares e prometeu retaliar qualquer ofensiva.

— A Coreia do Norte aumentou a ameaça que impõe a seus vizinhos e ao mundo através de seus programas nuclear e de mísseis ilegais e desnecessários — afirmou o secretário. — Não posso imaginar uma situação sob a qual os Estados Unidos aceitaria a Coreia do Norte como uma potência nuclear.

Como defendeu por toda sua viagem pela Ásia, que incluiu visitas a Tailândia e Filipinas, Mattis afirmou que a diplomacia continua sendo a forma preferencial para lidar com a Coreia do Norte.

— Não se enganem, qualquer ataque contra os Estados Unidos ou contra nossos aliados será derrotado — disse Mattis em entrevista coletiva — Qualquer uso de uma arma nuclear por parte do Norte receberá uma resposta militar em massa, efetiva e arrasadora — alertou o secretário da Defesa.

 

Fonte:ORM

Compartilhe:

Deixe seu comentário